Ads Top


Mídia amestrada ignorou o caso do reitor petista que espancou enteado por celebrar vitória de Bolsonaro



A notícia abaixo foi publicada no portal Bem Paraná, um dos maiores veículos daquele estado. No entanto ela não teve qualquer repercussão na chamada grande mídia. Abaixo podemos entender o motivo.

O petista Paulo Henrique Mayer, professor, doutor e ex-reitor da UFFS (Universidade Federal da Fronteira Sul), em Laranjeiras do Sul, foi preso após espancar violentamente o enteado de 11 anos por estar na casa do vizinho que comemorava a vitória do presidente Jair Bolsonaro.
Mayer que votou em Fernando Haddad desferiu socos, pontapés e utilizou um cabo de reio para agredir a criança.
Alunos da instituição vão exigir a demissão do professor solto após pagar fiança de R$ 2,5 mil.
continua depois da publicidade

Há muito que nossa imprensa tradicional deixou de atuar em prol da comunicação para se reduzir ao papel de assessoria de imprensa do petismo. Neste papel infame vemos notícias como a da Folha de São Paulo criticando o corte de cabelo do presidente eleito e distorcendo fatos para vilipendiar os eleitores de Jair Bolsonaro enquanto patrocinam factoides contra o futuro mandatário. Enquanto isso a extrema-esquerda aposta na violência protegida pelo silêncio da mídia amestrada.

O pior é que este caso não se deu com um zé das couves, mas sim com um ex-reitor de uma universidade federal. Aliás, não foi só a imprensa que se calou - aqueles histéricos embusteiros que dizem defender os direitos humanos e o combate ao discurso de ódio também se calaram. Quebrando o Tabu, Catraca Livre, Folha, UOL, Huffington Post... Todos eles ignoraram esta barbárie de forma solene. 

É evidente que quem julga e condena é a Justiça, e que mesmo um monstro como Paulo Henrique Mayer é digno de ser assistido pelo devido processo legal. No entanto é de se notar que não há condescendência semelhante quando é algum militante de direita que falou qualquer bobagem. Logo as massas da extrema-esquerda pedem a cabeça do sujeito em uma bandeja. Também causa espécie o fato de que a imprensa se dedica mais a reportar farsas contra a Direita do que em relatar acontecimentos que contrariam a narrativa de seus patrões. Não é por outro motivo que são estes porcos que fomentam a narrativa do perigo das fake news para justificar a censura. É desta forma que eles pretendem calar vozes independentes que contrariam sua agenda suja expondo estas verdades inconvenientes. 


Curta o Reacionário no Facebook:


[left-sidebar]

Tecnologia do Blogger.