Ads Top


A vaia histórica ao antissemita Roger Waters é a coroa que todo canalha merece

Observem esta foto com atenção:


O que passa na mente ao vermos este senhor é a impressão de dor, constrangimento e vergonha. E talvez seja mesmo. O velhinho da foto é Roger Waters, do Pink Floyd. Durante seu primeiro show em São Paulo na noite de ontem, o roqueiro quis fazer mais uma das suas: resolveu elencar uma lista de políticos que segundo ele seriam fascista. Entre eles, Jair Messias Bolsonaro.

O que Waters não esperava era a estrondosa vaia de cinco minutos abafando os gritos e urros de apoio da turma do #EleNão. Tonto e humilhado, o roqueiro se defendeu depois alegando "não saber muito o que se passava no país".

O fato é que não sabe mesmo. Tanto que antes disso havia dito que Michel Temer era não só fascista, mas também golpista. Evidente que para o discurso que Waters faz a verdade é o menos conveniente, daí ser completamente desnecessário saber o que se passa - basta apenas lacrar para agradar a patota.

Depois da humilhação, Roger Waters contou com a solidariedade dos mesmos extremistas de sempre - além daqueles que disseram que uma manifestação destas seria algo esperado de alguém que sempre defendeu as posições políticas à esquerda.

Concordo. Não é de hoje que se sabe que o sujeito é socialista. Tanto que é apoiador do regime bolivariano e um dos arqui-inimigos do Estado de Israel. Antisemita, Roger deseja a completa destruição do único estado judeu e é um dos principais apoiadores da campanha Boycott Israel - que pretende estrangular a única democracia do Oriente Médio por meio de boicotes a produtos e sanções econômicas.

Roger Waters talvez seja um dos mais talentosos músicos da história, não é exagero considerá-lo uma lenda viva. Mas mesmo os gênios podem ser canalhas, como é o caso do nosso bolivariano anglo-saxão.

Deixo aqui um texto publicado neste blog em maio do ano passado, quando comentei sobre o posicionamento do socialista que cobra verdadeiras fortunas por seus shows. Como sempre digo, é mais um dos fascistas que pedem mais amor. A vaia histórica ao antissemita Roger Waters é a coroa que todo canalha merece.

continua depois da publicidade

___________________________________________________________________________



Estamos muito mal: até o cretino anti-semita do Roger Waters se acha no direito de palpitar sobre nossa política


Confesso que ri da mais nova empreitada do ex-roqueiro em atividade Roger Waters, que deixou de lado sua obsessão anti-Israel para falar um pouco de nosso amado Brasil. Em sua página no Facebook, ele postou uma foto de Temer com os dizeres:

Brasil, é essa vida que vocês realmente querem?

Pois é, todo castigo para corno é pouco. Estamos tão decadentes que já apareceu até o Roger Waters para criticar. Só nos falta mesmo a falsa humanitária Jane Fonda aparecer por aqui ou Madona adotando uma criança do Rio. 

Para desqualificar o pitaco de Roger Waters não precisamos lembrar do autoritarismo com que ele conduziu o Pink Floyd, sua ambição desmedida, de como demitiu Richard Wright, da inveja que sentia de David Gilmour e sua arrogância muito mal camuflada debaixo do falso humanismo. Vamos nos focar naquilo que ele se orgulha de dizer: que é socialista, assim como seus pais. 

Bom, isso explica tudo. Explica tanto o ódio por Israel quanto o desejo recente de palpitar sobre o Brasil, país que ele só conhece dos shows caríssimos que faz por aqui em edições super concorridas. Também explica o silêncio sobre a Venezuela socialista, onde o bolivarianismo transformou o país em sucursal do inferno. Se é verdade que um artista não deve ser obrigado a fazer declarações sobre tudo, também é verdade que declarações seletivas não são aceitas. Waters ataca Israel e pede que empresas boicotem a única democracia sólida do Oriente Médio, mas não é homem de denunciar as ditaduras e teocracias da região. Agora é macho para falar do Brasil, mas seu engajamento se cala de maneira conivente com a Venezuela. 

Para este senhor ressentido com o fato de que chutamos da presidência uma aspirante a czarina que usava o nome de Iolanda em emails clandestinos, fica a mesma mensagem que o Rei Juan Carlos deu ao aspirante a ditador Hugo Chávez: ¿Por qué no te callas? Vai assim mesmo em espanhol. Este gringo ignorante deve conhecer tanto de Brasil que imagina que falamos o mesmo idioma que qualquer latino-americano.



Tecnologia do Blogger.