Ads Top


Luiz Fux quer brincar de soviete para supostamente "combater as fake news em 2018"


Como sou um indivíduo chato, com frequência repito coisas a exaustão. Como a expressão de que o Brasil é exatamente igual Saramandaia, a bela obra do comunista Dias Gomes sobre uma terra fantástica onde todo o absurdo era possível e palpável. Vejam o caso do ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Fux, que também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (uma excrescência que só existe em países desenvolvidos como a gloriosa Costa Rica). Munido das disposições do cargo, Fux decidiu que é seu dever combater as "fakes news" em 2018 para evitar que a indústria de boatos distorça os resultados do pleito democrático. O ministro já teria até montado uma força tarefa, ameaçando possíveis suspeitos com bloqueio de bens e detenção.

Alto lá: o que Fux quer fazer tem nome e sobrenome: é censura e violação dos direitos humanos por meio de gambiarras legais. Onde estava Fux quando o governo petista operava uma rede de militantes virtuais que poluíam as redes sociais com ataques contra opositores? Onde estava o charlatão quando este mesmo partido comprou uma rede de mercenários e prostitutas de redação para bajularem o partido e assassinarem reputações de adversários?

Ele estava calado. Afinal de contas, foi nomeado por Dilma Rousseff. E maldito é o cão que morde a mão que o alimenta. Claro, Fux poderia se redimir no futuro. Ao invés disso preferiu bajular Dilma para que sua filha Mariana Fux fosse nomeada desembargadora pelo governador Pezão - à época também aliado do governo de criminosos do Partido dos Trabalhadores.

Como já foi dito aqui, um dos efeitos colaterais da operação Lava Jato é de que suas virtudes mais aparentes proporcionaram um disfarce perfeito para toda sorte de canalhas que gostariam de praticar uma lavagem moral em suas fichas sujas. Daí saíram por aí demonstrando falso moralismo para almas sedentas de justiça. Como se sabe, quem está com muita sede em um deserto se sujeita até a beber água suja.

No caso de Fux, o que temos é um tirano apoiador dos governos petistas que resolveu fingir preocupação com a democracia. Ganhou créditos polarizando com Gilmar Mendes (que não anda em boa fase diante da opinião pública). Agora usa este créditos para promover censura. Por que dizemos censura? Simples: sempre existiram notícias falsas, sempre existiram mecanismos legais para punir estes criminosos e principalmente, porque este tipo de ação só ajuda os mentirosos profissionais homiziados em redações de grandes veículos.

No discurso, Fux quer atuar "preventivamente". Sob quais critérios? O analista e editor Carlos Andreazza lembrou bem: o ministro quer criar uma espécie de "Minority Report", antecipando crimes que ainda não aconteceram. Se bem-intencionado estivesse, a ideia de Fux poderia ser classificada como burra, estúpida e cretina. Como sabemos que nada naquela corte acovardada é casual, sabemos que esta tese é simplesmente cínica, oportunista e mentirosa.

O soviete de Fux servirá apenas para prender e alienar bens de gente pequena, e com toda a certeza este blog adianta que só servirá para o lado de cá do espectro político. Os mentirosos do Diário do Centro do Mundo, Brasil 247, Carta Capital, Folha, UOL e Catraca Livre ficarão livres. A censura só serve a eles. Quem está do lado de cá sabe que mentira se combate com verdade ou com processos legais dentro do que a lei já discrimina como "crime contra a honra". Aliás, quem reforçou esta linha de pensamento foi o próprio Gilmar Mendes. Não cabe ao judiciário ou ao seu apêndice TSE se arvorarem no papel de censores do que quer que seja. Ainda mais com penduricalhos e gambiarras jurídicas. Sendo assim, está claro que a intenção é perseguir quem diverge do que o Ministério da Verdade de Fux diz que merece ser publicado ou não. Aos histéricos que apóiam as pretensões bolivarianas do ministro de peruca, aguardem. Como diz aquela camiseta infame utilizada por Fernando Collor, "O tempo é o senhor da razão".



  Curta O Reacionário no Facebook:

[left-sidebar]

Tecnologia do Blogger.