Ads Top

Acusação de Patrícia Lélis contra Glauber Braga fere de morte o PSOL ao expôr o oportunismo e hipocrisia de seus parlamentares


A mentirosa compulsiva Patrícia Lélis fez mais uma vítima. Desta vez o homem acusado de agressão e violência sexual é o deputado federal Glauber Braga, do PSOL do Rio de Janeiro. A suposta jornalista alega ter vídeos íntimos dos dois, além de ter relatado ameaças e perseguição por parte do psolento.

Por questão de coerência, devo dizer que militantes do PSOL são todos canalhas em potencial. São monstros morais, seres abjetos que não deveriam contar com qualquer clemência. Mas a mesma coerência nos lembra que mesmo militantes de extrema-esquerda que abominam o Estado democrático de direito são dignos dos mesmos direitos que os demais cidadãos. E que qualquer um que seja acusado por Patrícia Lélis tem ao menos 99% de chances de ser inocentes.

O caso de Glauber parece seguir o mesmo roteiro de outros relatos da mitômana que já foi diagnosticada por especialistas como mentirosa compulsiva. O modus operandi de Patrícia Lélis é se aproximar de suas vítimas, forças vínculos profissionais ou afetivos para depois acusá-los de estupro ou violência. Claro, também já acusou pessoas aleatórias de agressão e ameaças. Não temos absolutamente nada que fortaleça a acusação contra Glauber Braga ou que ateste que desta vez a falsa embaixadora da ONU esteja falando a verdade. Infelizmente o parlamentar terá que passar pelo constrangimento de ter que se envolver em uma investigação policial para se livrar de calúnias desta natureza, além de saber que mesmo depois de tantos episódios parecidos, alguns sempre irão acreditar em Patrícia.

No entanto é bom apontar para o lado irônico da história: o Partido Socialismo e Liberdade não teve qualquer compaixão com o deputado federal Marco Feliciano quando ele foi envolvido na trama urdida por uma mulher comprovadamente louca. Ao contrário, seus parlamentares e demais militantes investiram pesado contra Feliciano.

Só para lembrar, os colegas de Glauber na Câmara Ivan Valente e Jean Wyllys proferiram discursos duros contra Feliciano mesmo diante das evidências de fraude. Jean Wyllys se utilizou do caso para simular heroísmo quando foi julgado no Conselho de Ética da Câmara por cuspir em Jair Bolsonaro. "Querem cassar meu mandato porque não sou corrupto", disse ele. "Alguns dos meus acusadores são acusados de estupro". Já Ivan disse:

Todo cuidado é pouco nas tentativas de minimizar o caso. Não façamos como o próprio deputado, que alega publicamente que não existe cultura do estupro. Não sejamos coniventes e cobremos o máximo de seriedade das autoridades, que precisam apurar a participação de cada um dos envolvidos

O PSOL não precisava de ter se posicionado de maneira tão acintosa. Poderia ter exigido os esclarecimentos por parte da justiça sem implicar de imediato que o parlamentar era culpado. Mas não: preferiram fazer baixa política. Não só o PSOL, como toda a extrema-esquerda fez o que já é tradição entre a seita: tentaram destruir o parlamentar com uma acusação frágil de estupro que ainda hoje repercuti contra Feliciano. Páginas da extrema-esquerda como Quebrando o Tabu, Catraca Livre, Diário do Centro do Mundo e Fórum deram ampla publicidade ao caso. Depois resolveram acolher a infame falsária entre suas hostes: a moça ganhou coluna na Revista Fórum, foi objeto do pistolão de Cinara Menezes e virou uma das grandes figuras da gauche tupiniquim. Sua página no Facebook tem quase cem mil seguidores. As imagens da embusteira abraçando Ciro Gomes e Lula correram a internet como prova da conversão. Agora o PSOL e a extrema-esquerda enfrentam um difícil dilema: ou admitem publicamente que Lelis é uma criminosa e atestam em público que foram oportunistas contra Feliciano ou seguem na farsa acusatória contra o pastor e jogam um dos seus homens na fogueira.

Será que aqueles stalinistas do século XXI tratarão seu deputado com a mesma agressividade justiceira que trataram Feliciano ou serão hipócritas? Seja como for, a roda da fortuna foi implacável com PSOL. E é claro, nós da Direita exigiremos justiça. Bem o contrário dos que usam destes expedientes para promover vingança política.


  Curta O Reacionário no Facebook:

[left-sidebar]

Tecnologia do Blogger.