Ads Top

A hashtag #Globolixo nos trending toppics fez jus ao esgoto midiático que a emissora tem produzido nas últimas décadas


A reação a Rede Globo veio muito mais rápido do que se poderia imaginar: além de uma campanha pedindo boicote a emissora e a seus anunciantes, a internet emplacou a hashtag #GloboLixo nos trending toppics do Twitter. Foi um passeio. 

De certo que a direção da emissora deve estar de cabeça quente. Eles que mandam no Brasil desde tempos imemoriais, agora se dão conta de que o povo não quer mais permanecer no curral ideológico demarcado por executivos obscuros e artistas militantes. A campanha de difamação pode custar ainda mais caro para um grupo já decadente e abalado pela concorrência da internet. Pode ser uma punhalada letal em um gigante que já agonizava. 

O fato é que a Rede Globo sempre manipulou a verdade, sempre distorceu fatos, sempre vendeu embustes como se fossem notícias. No xadrez político a Globo vendia a agenda da extrema-esquerda protegida pelo espantalho retórico dos que a rotularam de "emissora conservadora". Sendo assim era fácil camuflar os apliques da emissora ao mesmo tempo em que se colocava o centro do debate bem longe da direita. Foi quando liberal passou a ser sinônimo de nazismo e socialismo passou a ser encarado como luta pela democracia. 

O golpe retórico também ajudava no aspecto prático: os artistas militantes atacavam a mídia enquanto a Rede Globo se colocava como imparcial. Mesmo com o jornalismo de guerra contra a democracia, mesmo com a agenda de extrema-esquerda de suas produções de entretenimento. 

Era tudo muito fácil para a Rede Globo, que recentemente se aventurou até em alavancar um retorno da extrema-esquerda forçando a Rede de Marina Silva no Jornal Nacional. Não deu certo, já que o bêbado Joesley acabou atrapalhando as coisas. Mas eles teriam conseguido vender seguidores de Nicolás Maduro como Alessandro Molón e Randolfe Rodrigues como paladinos da justiça e defensores da moral.

Esta escorregadia da Globo com a porca matéria do Fantástico foi o estopim de uma reação maiúscula por parte dos brasileiros contra quem sempre colocou cabresto ideológico no povo. Isso porque a emissora esqueceu que não detêm o monopólio da notícia e da informação como gostaria. A internet democratizou o debate, permitindo até que uma rede de anônimos atuando de maneira espontânea derrubassem narrativas muito bem costuradas na República Socialista do Projaquistão. Assim como já era feito com o noticiário local e internacional, onde a internet sempre expunha as entranhas da Vênus Platinada destacando suas mentiras diárias. 

Este é um momento decisivo para as Organizações Globo, que sobrevivem basicamente de subvenção estatal. Eles terão que reagir de maneira rápida e certeira para se salvarem desta sangria desatada. A eles só resta mesmo mentir, mentir como se não houvesse amanhã. Só resta mesmo acusar grupos de discurso de ódio, associar crítica a fascismo e fazer falsos paralelos entre cidadãos preocupados com a infância e traficantes truculentos que destroem terreiros de umbanda. Aliás, se os críticos destas exposições fossem criminosos como os traficantes retratados pela porca matéria do Fantástico, a Rede Globo estaria ao lado deles. Não é esta a emissora que sempre retrata comunistas, traficantes e outros seres sórdidos como mocinhos enquanto pinta conservadores, capitalistas e evangélicos como vilões? O melhor é que coloquem a hashtag #GloboLixo também no epitáfio da emissora. Fará jus ao esgoto midiático que ela tem produzido nas últimas décadas. 

Curta O Reacionário no Facebook:

[left-sidebar]

Tecnologia do Blogger.