Ads Top

Presidentes do BNDES e da Petrobras agora negam os crimes praticados nas estatais pela gestão petista. Loucura ou estelionato intelectual?


Está no Poder360:

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, disse que a privatização da estatal não faz parte da agenda atual da empresa. Segundo o executivo, a petrolífera tem outras prioridades, como aumentar investimentos em exploração e produção de petróleo.
“Não acho que a sociedade queira a privatização. Não está na agenda agora”, afirmou Parente em jantar com empresários e jornalistas, realizado pelo Poder360-ideias na noite da 2ª feira (17.jul.2017). O evento foi em uma sala reservada, no mezanino do restaurante Piantella, uma casa tradicional de Brasília.

Ah, ele não foi o único que praticou este tipo de atentado a inteligência. Paulo Rabello de Castro, do BNDES, foi ao Jornal da Manhã da Jovem Pan responder as críticas de Marco Antonio Villa com cinismo, mentiras e abstrações. O inacreditável aconteceu quando ele afirmou que as operações que repassaram valores astronômicos para empresários amigos e para ditaduras socialistas da África e América Latina como "operações normais que representariam grandes lucros para o Brasil".



O que está acontecendo com os ditos liberais que Michel Temer indicou para comandas BNDES e estatais?

Quero crer que os presidentes do BNDES e da Petrobras não estavam bem, que estas falas esquizofrênicas vieram de pessoas fora de seu juízo perfeito. A outra saída possível é encarar o fato de que estes dois figuras querem manter os veios que sustentam a corrupção.

Sim, isto fortalece o sindicalismo pelego, o loteamento de cargos e no final os grupos antidemocráticos que começam a tomar o Estado de assalto antes mesmo de vencerem eleições. Pedro Parente sabe disso, tanto que declarou que iria sanear a Petrobras. Paulo Rabello de Castro era liberal seguidor de Roberto Campos, mas defendeu de forma pornográfica a escolha de campeões nacionais. 

Tanto Pedro Parente quanto Paulo Rabello de Castro deveriam é tomar vergonha na cara. Na era da informação digital democratizada graças as privatizações dos serviços de comunicação em uma época em que alguns agentes políticos diziam que "a população não queria a venda do patrimônio nacional", Talvez o pior que eles tenham feito foi negar os crimes praticados pela organização criminosa petista, chamando os investigadores da Operação Lava Jato e todos os demais brasileiros de otários. 

  Curta o Reacionário no Facebook:[left-sidebar]





Tecnologia do Blogger.