Ads Top

A coletiva de Lula ajudou a mostrar de que lado estão nossos recentes paladinos da ética e para onde o país vai se eles triunfarem


Lula deu uma esclarecedora entrevista coletiva para falar de sua condenação a nove anos de cadeia no primeiro processo concluído pelo Juiz Sérgio Moro. Lula usou seu tempo para ameaçar a justiça e o país, prometendo reagir aos fatos voltando a presidência da República. Mais ou menos o que se viu após sua condução coercitiva. Usou seu tempo para ameaçar, debochar e demonstrar uma força que talvez não tenha. 

O que ficou claro é que Lula é um sociopata frio e calculista. Também mostrou para o Brasil inteiro que petismo não é orientação política ou filiação partidária. É um culto macabro onde seus seguidores apostam em qualquer ato insano para defender sua fé. A fé não está nas boas intenções, mas sim nas piores. O petismo é o culto da monstruosidade, a ode e submissão a barbárie. Parece muito com The Following ou com o culto da Igreja dos Povos, conduzida pelo reverendo comunista Jim Jones. Vejam o caso de Raduan Nassar, um dos maiores escritores brasileiros. O sujeito que escreveu “Lavoura Arcaica” aparentemente é um sujeito genial. Mas é doente por dentro, tomando parte no culto petista. 

É por isso que o petismo não irá acabar por meio da Justiça, assim como a fé em Charles Mason não acabou com sua prisão. Ainda hoje existem indivíduos dispostos a seguirem as ordens daquele psicopata, assim como gente aparentemente sã e honesta ainda segue Lula onde ele for, obedecendo suas ordens e internalizando seus crimes como se fossem justificados por partirem da divindade dos nove dedos. O filme “Lula, Filho do Brasil” mostra as crenças do petismo como ninguém: para eles ele é o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim, a Doença e a Cura, o Verbo feito carne e a Revolução em forma de homem. 

Por estas e outras que os cidadãos brasileiros que não fazem parte do culto devem evitar qualquer contato ou colaboração com estes seres odiosos, incluindo aqueles que se travestem de bons cidadãos infiltrados em várias frentes estratégicas para avançar na agenda do líder. Esta seita satânica agora opera por meio de servos como Alessandro Molón, Randolfe Rodrigues, artistas e ativistas que hoje operam pelo “Fora Temer”. Quem viu The Mentalist sabe bem como isso acontece. Tudo o que querem é livrar seu líder da cadeia e colocá-lo no comando da humanidade.  

  Curta o Reacionário no Facebook:[left-sidebar]





Tecnologia do Blogger.