Ads Top

Sim, Lula realmente declarou seu amor a Hitler, Mao, Fidel e ao Aiatolá Khomeini. Além de zoofilia e outras coisas

Não estava nos planos falar sobre o assunto, mas alguns leitores questionaram a informação de que Lula houvesse confessado seu amor por ditadores como Fidel Castro, Mao Zedong, Adolf Hitler e Aiatolá Khomeini. Entre os que nutriam a dúvida sincera, surgiram petistas enchendo o inbox de ofensas. Não creio que é necessário apresentar provas para petistas e suas prostitutas de ocasião, mas é satisfatório ver olhar nos olhos dessa escória enquanto os surramos com a verdade. Então, aí está a entrevista de Lula a Playboy. Foi no ano de 1979. Lula não só confessa o amor a ditadores, como também entrega de bandeja a prática da zoofilia e imoralidades com viúvas desamparadas. Segue o trecho da entrevista na transcrição, abaixo o original em slideshare. Mas adiante, uma reportagem da Folha de São Paulo. Em 1994 os petistas assaram a se preocupar com a possibilidade de que aquela entrevista atrapalhasse as pretensões presidenciais de Lula. Infelizmente a preocupação foi desnecessária.

(…)
Playboy – Há alguma figura de renome que tenha inspirado você? Alguém de agora ou do passado?
Lula [pensa um pouco]- Há algumas figuras que eu admiro muito, sem contar o nosso Tiradentes e outros que fizeram muito pela independência do Brasil (…). Um cara que me emociona muito é o Gandhi (…). Outro que eu admiro muito é o Che Guevara, que se dedicou inteiramente à sua causa. Essa dedicação é que me faz admirar um homem.
Playboy – A ação e a ideologia?
Lula – Não está em jogo a ideologia, o que ele pensava, mas a atitude, a dedicação. Se todo mundo desse um pouco de si como eles, as coisas não andariam como andam no mundo. (…)
Playboy -Alguém mais que você admira?
Lula –  [pausa, olhando as paredes] – O Mao Tse-Tung também lutou por aquilo que achava certo, lutou para transformar alguma coisa.
Playboy -Diga mais…
Lula – Por exemplo… O Hitler, mesmo errado, tinha aquilo que eu admiro num homem, o fogo de se propor a fazer alguma coisa e tentar fazer.
Playboy -Quer dizer que você admira o Adolfo?
Lula –  [enfático] Não, não. O que eu admiro é a disposição, a força, a dedicação. É diferente de admirar as idéias dele, a ideologia dele.
Playboy – E entre os vivos?
Lula – [pensando] – O Fidel Castro, que também se dedicou a uma causa e lutou contra tudo.
Playboy – Mais.
Lula –  Khomeini. Eu não conheço muito a coisa sobre o Irã, mas a força que o Khomeini mostrou, a determinação de acabar com aquele regime do Xá foi um negócio sério.
Playboy – As pessoas que você disse que admira derrubaram ou ajudaram a derrubar governos. Mera coincidência?
Lula – [rápido] – Não, não é mera coincidência, não. É que todos eles estavam ao lado dos menos favorecidos.
(…)
Playboy – No novo Irã, já foram mortas centenas de pessoas. Isso não abala a sua admiração pelo Khomeini?
Lula –  É um grande erro… (…) Ninguém pode ter a pretensão de governar sem oposição. E ninguém tem o direito de matar ninguém. Nós precisamos aprender a conviver com quem é contra a gene, com quem quer derrubar a gente. (…) É preciso fazer alguma coisa para ganhar mais adeptos, não se preocupar com a minoria descontente, mas se importar com a maioria dos contentes.





Link original da matéria da Folha de São Paulo.


Tecnologia do Blogger.