Ads Top

Ainda sobre Mônica Moura: corrupção petista também é responsável pelo inferno venezuelano

Em sua delação, Mônica Moura revelou detalhes sobre sua atuação na reeleição de Hugo Chávez em 2010. Para quem não se lembra, o coronel ocupou o poder por quatro mandatos. Além de ser apoiador do regime no cenário internacional, o governo petista ainda subsidiou Chavez com dinheiro do contribuinte brasileiro com empréstimos bilionários do BNDES. Como se fosse pouco, o Partido dos Trabalhadores escalou o casal Mônica Moura e João Santana para assegurarem a vitória do bolivariano em 2010.

O Antagonista traz alguns detalhes da missão: 

Mônica Moura explicou que não assinou qualquer contrato para fazer a campanha de Hugo Chávez. Questionada pelo MPF sobre qual a garantia que ela tinha para receber o valor combinado.
"Minha garantia era Lula", disse. Quando houve atraso, João Santana procurou Lula, que prometeu procurar Chávez. O presidente venezuelano morreu logo depois de tomar posse.


Vale lembrar que neste mesmo período, a oposição venezuelana enfrentava uma luta de Davi contra Golias. O opositor Henrique Caprilles enfrentava um governo que já havia nacionalizado praticamente todos os setores da economia, fechado emissoras de tv, rádio e jornais, além de contar com o apoio de uma classe empresarial formada nos três mandatos anteriores. Como se não fosse suficiente, houve o empenho pessoal de Lula pela reeleição do tirano. Diante dessa desproporção, os democratas foram derrotados. 

Cabe lembrar que o mesmo Lula afirmou que por lá havia "excesso de democracia". Ele sabia disso por ter se comprometido em fazer do país um laboratório de suas ideias totalitárias, empregando o casal criminoso Mônica Moura e João Santana e o dinheiro do contribuinte brasileiro nesta aposta no sadismo. Se hoje temos tanques esmagando civis, estupros generalizados praticados pela Guarda Bolivariana, fome, caos e violação de qualquer direito por parte dos golpistas, a responsabilidade também deve ser creditada ao PT. 


Tecnologia do Blogger.