Ads Top

Qualquer dúvida sobre a lei de abuso de autoridade passa na hora em que conhecemos seus defensores


O debate em torno da proposta de lei que estabelece novos critérios para o abuso de autoridade, muito já foi dito sobre a necessidade de reformar uma lei arcaica em um país onde juízes e promotores são "condenados" a aposentadoria compulsória com salários de marajá. Isso tudo é verdade. Mas temos a obrigação moral de nos insurgirmos contra a lei apreciada neste momento no Senado. O motivo? Seus defensores. 

A proposta foi desengavetada por Renan Calheiros, senhor das Alagoas. O réu dos doze inquéritos e cangaceiro do século XXI, Renan quis a todo custo colocar freio na Operação Lava Jato. Colocou na relatoria o paranaense Roberto Requião, aspirante a caudilho e comedor de mamonas nas horas vagas. Seguidor da "Carta de Puebla" e quebrador de dedos de jornalistas, o senador carinhosamente apelidado de "Maria Louca" pelos conterrâneos achou um absurdo que Lula, Dilma e sua aliada Gleisi Hoffmann fossem importunados pela Operação Lava Jato. O sujeito que recomendou aos manifestantes pró-impeachment o consumo de alfafa (dieta que ele próprio parece ser adepto), acha que a Lava Jato foi longe de mais. Tanto que prendeu seus amigos José Dirceu e José Genoíno, a quem o senador foi visitar no Paraná. 

É claro, a favor do projeto de abuso de autoridade também estão Édson Lobão (PMDB-MA), o petista Jorge Vianna (do Acre, conhecido como Menino da Floresta na planilha da Odebrecht) e a suína Gleisi Hoffmann (a Amante da lista da Odebrecht é casada com o ladrão de aposentados Paulo Bernardo). São apoiados por Lindbergh Farias, Vanessa Grazziotin e Jader Barbalho. 

Em resumo, não há motivo algum para confiar nas boas intenções de gente que se notabilizou pela má-fé. Acreditar que a intenção destes senhores é punir o abuso de autoridade em tempos de Lava Jato é o mesmo que contratar um assassino condenado para trabalhar em uma residência particular. Não há motivo algum que nos autorize a acreditar nas boas intenções de quem não é só corrupto, como também simpatizantes de regimes autoritários. Acreditar que este projeto não pretende colocar freio na Lava Jato é acreditar que o maior esquema de corrupção da história ocidental foi mero engano praticado por gente ingênua, quando sabemos que eles sabiam muito bem o que estavam fazendo. Como não podemos garantir que o Senado derrube esta lei (a maioria da casa está implicada no Petrolão e outros escândalos), o jeito é já exigir do presidente Michel Temer que vete esta aberração. 


Tecnologia do Blogger.