Ads Top

Não esperem que a extrema-esquerda trate Ciro como trata Bolsonaro


Segundo estudantes da USP, o plano B do petismo para 2018 Ciro Gomes teria atacado o prefeito João Doria com dizeres homofóbicos. Segundo nota publicada por alunos que assistiram palestra do coronel na Faculdade de Direito do Largo do São Francisco, as palavras foram estas: 

Eu pego um viado cheio de areia no cu que nem o João Doria, e encho de porrada

A frase foi dita antes da palestra, e não foi capitada por câmeras ou gravadores. Em que se pese a negativa do próprio Ciro, o discurso é a cara de que quem já sugeriu sequestrar Lula e levá-lo para fora do país para que o petista fugisse das mãos de Sérgio Moro. É a cara de quem afirmou que a função de sua espoa na campanha presidencial era dormir com ele. O discurso violento também esta em consonância com quem faz parte de uma família de coronéis que atuam na política desde o final do Império, e que mandam em Sobral desde o começo da República. 

Ah, a extrema-esquerda que costuma se travestir de progressista dirá que isto não é verdade. Ou que veado é uma expressão comum no Nordeste (lembrai do grelo duro de Lula). Ou ainda que veado é só um animal. para eles alguns homofóbicos merecem ser absolvidos e apoiados. Comparado ao eterno Che Guevara (que mandou homossexuais para campos de concentração), Ciro é uma freira. Se Che merece ser defendido mesmo com todo o discurso contra gays e negros, porque Ciro deveria ser questionado? 

E porque não questionar quem acha que política deve ser feita com o muque, com a pistola e o tacape? A extrema-esquerda não vai questionar quem eles chamam de "homão da porra" porque os próprios também veneram figuras que fazem política com o fuzil, com o coturno e cassetete, com fardados nas ruas e algemas para dissidentes. Se os truculentos Fidel, Maduro, Mao, Stalin e Pol Pot são cultuados por sua violência, qual é a razão de censurar o comedido Ciro? A extrema-esquerda não venera o coronel apesar de suas idiossincrasias. Ela o venera justamente por conta de suas imposturas, já que enxerga virtude na selvageria.


É evidente que Ciro é homem de língua afiada, de fala violenta e de práticas fascistas. Foi criado assim em Sobral, feudo de sua família onde a política tradicional remonta da República Velha. Política ali se faz na bala, disputando a massa bovina com opositores do mesmo naipe. É onde os fracos (e os democratas) não têm vez. 

Fica claro o caráter fascista de algumas manifestações de censura e repúdio contra falas de alguns direitistas. Quando é Bolsonaro, pedem a forca, cassação de mandato, cadeia. Quando é Ciro, pedem compreensão e confiança. Ou votos em 2018. Os verdadeiros fascistas são assim: aos amigos os favores, aos inimigos nem a lei. Até porque essas bandeiras humanistas não passam de fachada para uma agenda política de inspiração totalitária. Aguardem mais pérolas dessas da boca de Ciro. Tem muito mais de onde veio esta.



Tecnologia do Blogger.