Ads Top

Catraca Livre acha que tirar fotos com sangue de menstruação sujando as roupas é "quebrar tabu"




O Catraca Livre ficou em êxtase com a história de uma instrutora de yoga que de maneira "completamente espontânea", resolveu dar aulas sem absorvente. Para o Catraca, ela "quebrou o tabu".


A menstruação nem sempre é enxergada normalmente (como deveria). Há um estigma sobre o assunto, tanto por parte dos homens como das mulheres - muitas deles enxergam a menstruação de maneira negativa.
A texana Stephanie Góngora utilizou sua profissão para se manifestar contra esse tabu. Ela é instrutora de yoga e, em um vídeo, apareceu dando aulas confortavelmente sem absorvente, com sangue de menstruação à mostra.
A publicação, que teve mais de 220 mil visualizações, também incluiu uma legenda empoderadora. "Eu sou uma mulher, portanto, eu sangro. É sujo, doloroso, terrível e é lindo", escreveu. "E mesmo assim, você não saberia. Porque eu escondo", completou.
Não vou comentar o fato de que ela escolheu usar roupas brancas, e que "casualmente" se deixou fotografar de modo que ficasse bem claro que ela estava menstruada. Isso são apenas detalhes da doença mental chamada "progressismo".

Acho que o caso em questão é o fato de que qualquer imbecil de classe média alta vira herói por alguma pantomima qualquer. No passado, as mulheres que quebravam o tabu eram Ada Lovelace, Rosa Parks, Margaret Thatcher, Ida. B. Wells, Katherine Johnson, Dorothy Vaughn e Mary Jackson (mostradas no filme Estrelas Além do Tempo), Bertha Lutz, Rita Lobato ou Antonieta de Barros, que revolucionavam a ciência, a política e os direitos civis. Hoje, basta uma bem-nascida resolver atrair likes nas redes sociais com polêmicas milimetricamente planejadas para se destacar.

O Tempora, O Mores!
[left-sidebar]
Tecnologia do Blogger.