Ads Top

Cai a farsa de Juliana Cardoso: Câmara deve cassar o mandato da petista por quebra de decoro e falsa comunicação de crime




Após o fim da confusão protagonizada pela vereadora petista Juliana Cardoso na Câmara Municipal de São Paulo, o MBL divulgou um vídeo desmantelando a farsa da petista. O vídeo não só derruba cada um dos factóides apresentados pela petista, como mostra a ação truculenta de seus lacaios, a falsa comunicação de crime (ela acusou os assessores de Fernando Holiday de invadirem uma reunião fechada e agressão dos participantes). A petista também aparece tentando agredir Holiday, enquanto seus capangas vão as vias de fato e atacam o youtuber Arthur do Val. 





O vídeo fala por si. Após todos esses eventos, a vereadora simplesmente sumiu da Câmara. Como publicamos ontem, a farsa já havia sido desmontada pela PM, que apurou que não houve agressão por parte dos assessores de Holiday. A intenção de Juliana era justamente atrapalhar os trabalhos da casa e inviabilizar a votação do projeto que endurece as penas contra os pixadores.

Agora, prestem atenção nestes outros vídeos, gravados antes do barraco no plenário. Notem que a petista simula nervosismo, e relata agressões que incluem tapas e ofensas verbais. Em dado momento, ela urra para algum subalterno que chame o "Greenhalgh". É Luiz Eduardo Greenhalgh, advogado e ex-deputado petista, figura subterrânea  e nefasta da política brasileira. Ela também tenta trucidar a imagem de Holiday apelando para o termo "molecagem" seguidas vezes.  Notem que após tantas ameaças, ela foge e não registra o boletim de ocorrência. Reparem também na grosseria com um sujeito que parece ser jornalista. Ele tenta obter a confirmação de que Holiday a teria xingado, e obtém um coice homérico da petista.






Todo aquele freak show não passou de uma pantomima. A petista mentiu, fez falsa comunicação de crime contra um vereador e sua equipe, tentou agredir um colega, invadiu um gabinete, e de quebra seus jagunços emitiram xingamentos como "viadinho", "preto falso" e "capitão do mato": tudo porque a petista queria livrar a cara dos criminosos de classe média que vandalizam a cidade (já é de conhecimento público que a maioria desses vândalos é de classe média alta, havia até um filho de diplomata no meio). Juliana cavou a sua cova, só resta a Câmara Municipal a obrigação de jogar as últimas pás de cal cassando o mandato desta senhora. Que ela possa exercer seu mandato em lugares onde seu comportamento autoritário, truculento e marginal seja aceito, como a boca do lixo. O que não é possível é que um tipo de meliante como Juliana continue emporcalhando a Câmara da cidade mais importante da América Latina. O fascismo morreu, e seus filhotes não podem ter lugar na vida pública. 

Tchau, Querida.
[left-sidebar]
Tecnologia do Blogger.