Ads Top

Um dos grandes tropeços da democracia é ter no STF o golpista da rota do frango com polenta


HuffsPost Brasil


Ontem o ministro Ricardo Lewandowski se referiu ao impeachment como um “tropeço da democracia”. Não nos surpreendemos com a defesa ardorosa do petismo, mas sim com a capacidade que essa gente tem de distorcer valores e conceitos.

Lewandowski diz que um processo político amparado na Constituição e desejado por quase 80% dos brasileiros é um tropeço da democracia, processo este arbitrado pela casa da qual ele faz parte – e justamente durante a sua presidência. A fala de Lewandowski é cínica, para dizer o mínimo.

O ministro é um dos que emporcalham o Supremo Tribunal Federal. Foi nomeado por Lula por indicação da Família Marchetti, de São Bernardo do Campo. Apesar dos títulos acadêmicos, só conseguiu subir na vida graças ao pistolão. Primeiro se garantiu pelas mãos do então prefeito Aron Galante. Depois caiu nas graças de Orestes Quércia, conquistando uma vaga de juiz sem concurso por meio do quinto constitucional. Mais tarde, foi indicado a Lula pela família Marchetti para o STF. Foi uma ascensão meteórica, da rota do frango com polenta para a mais alta corte do país.

Se há algo que ameaça a democracia no Brasil são os agentes públicos que rasgam a Constituição, os que tomam parte em “conciliábulos”, os que combinam votos para absolver réus, os que colaboram com organizações criminosas – sejam elas políticas ou não. Gente que solta traficantes e assassinos para forçar os colegas a debaterem novamente a decisão sobre a prisão antes da segunda instancia. Agentes que tomam parte em golpes para garantir direitos a uma criminosa depois da cassação, estes sim é que representam um tropeço para a democracia. Mas ao menos é só um tropeço. A história tratará de julgar a biografia desses cínicos.


Tecnologia do Blogger.